Manifesto

O que torna uma cerveja especial de verdade não é somente a pureza dos ingredientes. Nem o toque artesanal da fabricação.

O que torna uma cerveja especial de verdade não é a fórmula com a qual ela é produzida. É a forma como ela foi pensada antes de ser concebida.

Antes da água, do malte e do lúpulo, entra a razão de uma cerveja existir. Entra o porquê e para quem ela foi pensada.

Uma cerveja especial de verdade não pode ser pensada para os grandes consumidores. E sim para os grandes apreciadores. Essa é a grande diferença. Grandes consumidores são muitos. Grandes apreciadores, nem tantos. Estes possuem o dom do bom senso, o mérito da boa escolha, o poder do bom gosto. Dominam melhor o paladar e são dominados pelos melhores sabores. Em outras palavras, os grandes apreciadores são seletivos.

Assim como a água, o malte e o lúpulo, a seletividade faz parte da natureza. E a natureza, ao mesmo tempo em que congrega, agrega. Criando espécies. Criando gêneros. Criando grupos. Criando, inclusive, matilhas.

Assim, inspirados pela natureza, pensamos a nossa cerveja.

Assim, criamos a nossa Matilha.

E dela farão parte os grandes apreciadores.

Certamente. Especialmente.

Matilha. Cerveja Dominante.